Bem-vindo, CITRUS 7
TOTAL TRANSFERIDO BRL 1500,00 ECONOMIZADO BRL 44,00

18/08/2020 – Panorama de mercado semanal

18 de agosto , 2020 | em #MeuCâmbio |

Análise Meu Câmbio

Acompanhe semanalmente a evolução do preço do dólar, euro e saiba tudo que pode influenciar o preço das moedas. Com a Meu Câmbio você tem acesso a toda a informação que precisa para escolher a melhor hora de realizar suas operações cambiais.

Cenário interno

Economia

  • Em meio às incertezas sobre os impactos da pandemia de coronavírus no país e no mundo, o mercado brasileiro melhorou a expectativa em relação a uma contração do PIB (Produto Interno Bruto) em 2020, em comparação à semana anterior, segundo os dados do Relatório Focus divulgado dia 14/08 pelo Bacen. Seguem principais dados das medianas de mercado para 2020:
    • PIB: Queda de 5,52%
    • IPCA: 1,67%
    • Câmbio: R$/US$ 5,20
    • Selic: 2,00%
  • A economia brasileira registrou um tombo de 10,94% no segundo trimestre de 2020, segundo o Índice de Atividade Econômica (IBC-Br) divulgado pelo Banco Central (BC) nesta sexta-feira (14). O indicador é considerado uma “prévia” do desempenho do Produto Interno Bruto (PIB), que é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país e serve para medir a evolução da economia. O resultado oficial do PIB do segundo trimestre será divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 1º de setembro. Se a retração do PIB se confirmar no segundo trimestre deste ano, o Brasil terá entrado oficialmente em “recessão técnica”, ou seja, recuo do nível de atividade por dois trimestres consecutivos. Nos três primeiros meses deste ano, a economia já havia tido retração de 1,5%. (Fonte: G1)
País1º Tri 20202º Tri 2020
Alemanha-2,00%-10,10%
Brasil-1,50%-10,94%*
Canadá-2,10%-12,00%
China-10,00%11,50%
Espamja-5,20%-18,50%
Estados Unidos-1,30%-9,50%
França-5,90%-13,80%
Itália-5,40%-12,40%
Japão-0,60%-7,80%
Inglaterra-2,20%-20,40%
Portugal-2,30%-16,50%
* Prévia segundo o Índice de Atividade Econômica (IBC-Br) divulgado pelo Banco Central
Fonte: Meu Câmbio
  • A rentabilidade total de 4,90% do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) em 2019 superou a inflação para o ano e também os retornos obtidos com o dólar e a caderneta de poupança. A comparação foi realizada com base em dados da consultoria Economatica. Nesta terça, 11, o Conselho Curador do FGTS aprovou a distribuição de R$ 7,5 bilhões entre os trabalhadores cotistas, referentes ao resultado do ano passado do fundo. O valor será repartido de forma proporcional aos saldos de cada conta do FGTS e o depósito ocorrerá até o dia 31 de agosto. O resultado global do FGTS em 2019 foi superavitário em R$ 11,324 bilhões. Com a repartição de R$ 7,5 bilhões com os trabalhadores e o acréscimo de juros e atualizações monetárias, a rentabilidade de 2019 chegou a 4,90% para as contas no ano passado. Ainda assim, essa rentabilidade foi inferior à de anos anteriores (6,18% em 2018, 5,59% em 2017 e 7,14% em 2016). (Fonte: Isto É Dinheiro)
  • O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que as exportações do agronegócio para a China vão ajudar a amenizar o tombo do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil neste ano. Ele acredita que as exportações agrícolas só tendem a crescer. Por isso, a equipe econômica está trabalhando em projetos que tentam dar mais previsibilidade ao setor, como o fortalecimento dos mercados de seguros e de opções. Guedes participou do Fórum de Incentivo à Cadeia Leiteira, promovido pela Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA). Ele disse que o setor praticamente não sentiu o choque externo da crise causada pela pandemia do novo coronavírus por conta das exportações para a China, que praticamente compensaram a redução dos negócios com a Europa, os Estados Unidos e a Argentina, no primeiro semestre. “Estamos redirecionando as exportações, de forma que, no primeiro semestre, ficamos praticamente no mesmo patamar do ano passado”, afirmou Guedes. Ele disse que, por conta disso, o choque externo do setor, que poderia reduzir em cerca de 3% o PIB do Brasil neste ano acabou não sendo sentido. A expectativa do ministro é que as exportações do agronegócio, que têm se mostrado competitivo globalmente, cresçam ainda mais com o passar do tempo. (Fonte: Correio Braziliense)
  • De março a julho, 900 mil novas contas de investidores pessoa física foram abertas na Bolsa brasileira. Muitas são de novatos, não só na Bolsa, como nos investimentos. Seis em cada dez CPFs da B3 têm hoje entre 16 e 45 anos, ante dois em cada dez há quatro anos. A motivação principal para a entrada de investidores foi a queda na taxa básica de juros. No menor patamar histórico, a 2% ao ano, a Selic derrubou a rentabilidade das tradicionais aplicações de renda fixa. Mas o perfil cada vez mais jovem também se deve ao incentivo de grupos de redes sociais e influenciadores digitais, que concentram sua atuação principalmente no Twitter e no YouTube. O ingresso dos brasileiros na B3 conseguiu compensar parte dos R$ 45 bilhões sacados por estrangeiros durante a pandemia. Foi também o aplicador local que ajudou a estancar a sangria das companhias abertas nos primeiros meses da crise e recolocar o Ibovespa acima dos 100 mil pontos. O índice chegou a perder 60% do valor entre março e abril. (Fonte: Estadão)
  • Chamado a atuar para mitigar o efeito da crise causada pela pandemia de covid-19 sobre as empresas, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) registrou no segundo trimestre a maior expansão de crédito desde 2013. Foi a terceira maior alta de um trimestre ante igual período do ano anterior, na série histórica iniciada em 1995. O recorde foi registrado em 2009, quando aportes bilionários do Tesouro Nacional deram musculatura para a instituição de fomento atuar na recuperação da crise financeira internacional agravada em setembro de 2008. Os desembolsos do BNDES para financiamentos ficaram em R$ 17,658 bilhões, alta de 61,6% ante igual período de 2019, já descontado o efeito da inflação. No primeiro trimestre, a mesma base de comparação apontou um tombo de 44,3% nos valores liberados no, conforme dados divulgados ontem pelo banco de fomento, junto dos resultados financeiros. (Fonte: Estadão)
  • Apesar da melhora progressiva nas vendas, o comércio varejista brasileiro já deixou de faturar R$ 286,4 bilhões em decorrência da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus. A estimativa foi feita pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). A projeção considera o volume que deixou de ser vendido pelo varejo ampliado – que inclui as atividades de veículos e material de construção – no período que se estende da segunda quinzena de março, quando a disseminação da covid-19 se agravou no País, até o fim de julho. O IBGE divulgou pesquisa mostrando alta de 8% nas vendas em junho, na comparação com maio – após a alta recorde de 14,4% em maio (dado revisto). A recuperação ainda não foi homogênea. O avanço está especialmente sustentado pelo segmento de supermercados, que responde por metade do comércio varejista e que continuou crescendo durante os meses de pandemia. Mas a velocidade da retomada das vendas surpreendeu analistas do mercado financeiro ouvidos pelo Projeções Broadcast, que estimavam uma alta mediana de 4,9% em junho ante maio. No varejo ampliado, o volume vendido subiu 12,6% em junho ante maio. (Fonte: Estadão)
  • Quase cinco meses após a vigência dos primeiros decretos estaduais e municipais que interromperam as atividades de micro, pequenas e médias empresas pelo País, o volume de crédito liberado por programas públicos foi de R$ 35,05 bilhões, o que corresponde a 383 mil contratos. Os dados, atualizados até o fechamento desta edição, são da plataforma Emprestômetro, desenvolvida e gerida pela Secretaria Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade, do Ministério da Economia, com o Sebrae. As pequenas empresas foram as responsáveis pelo maior volume contratado nos programas, com a cifra de R$ 21,4 bilhões, o que representa 61,24% do dinheiro emprestado. As microempresas representam 15,07%, com valor total contratado de R$ 5,2 bilhões. À primeira vista, o número de contratos se mostra bem abaixo se relacionado diretamente com o número de micro e pequenas empresas formais existentes no Brasil: são 17,2 milhões de PMES, que correspondem a 99% das empresas nacionais. No entanto, o presidente do Sebrae, Carlos Melles, diz que os números não podem ser comparados de forma direta. (Fonte: Estadão)
  • O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) avaliou que, se houver espaço para um novo corte na taxa básica de juros, a Selic, ele “deve ser pequeno”, segundo ata publicada ontem da última reunião do grupo, quando a taxa básica de juros caiu para 2% ao ano, o menor patamar da história. O BC informou que, em sua visão, o País já estaria próximo do nível pelo qual reduções adicionais na taxa de juros poderiam causar instabilidade nos preços de ativos (alta do dólar, por exemplo). Assim, a instituição indicou cautela sobre a possibilidade de novos cortes. “O comitê concluiu que eventuais novas reduções na taxa de juros exigiriam cautela e gradualismo adicionais. Para tal, se necessárias, novas reduções de juros demandariam maior clareza sobre a atividade e a inflação prospectivas e poderiam ser temporalmente espaçadas”, informou a instituição. (Fonte: Estadão)

No cenário externo:

• O governo da Argentina, neste domingo, revelou sua proposta alterada de reestruturação de títulos da dívida no diário oficial e disse que credores teriam até 28 de agosto para aprová-la. Segue a emissão, na noite de sábado, de um decreto oficial aprovando a segunda rodada de emendas à proposta inicial do governo, realizada em abril, um passo importante para fechar o acordo. Em um comunicado paralelo, o governo disse que enviaria a nova proposta para a Comissão de Valores Imobiliários (SEC, sigla em inglês) dos Estados Unidos na segunda-feira. No domingo, o governo disse no diário oficial que o convite expiraria às 17h, horário de Nova York, em 28 de agosto, confirmando um adiamento esperado do prazo inicial de 24 de agosto para dar aos credores uma janela de dez dias após o registro formal na Comissão. A Argentina e seus principais credores chegaram a um princípio de acordo em 4 de agosto para reestruturar cerca de 65 bilhões de dólares em títulos soberanos após meses de discussões, rompendo um impasse que ameaçava inviabilizar as negociações. Em um comunicado na noite de sábado, o governo afirmou a formalização da proposta buscava “equilibrar as finanças públicas, dar garantias ao setor privado e, ao país, uma nova plataforma para crescimento”. (Fonte: Época Negócios)
• O PIB (Produto Interno Bruto) da zona do euro caiu 12,1% no segundo trimestre em comparação ao trimestre anterior e contraiu 15% em comparação ao mesmo período do ano passado, segundo dados divulgados nesta sexta-feira (14) pelo Eurostat, o escritório de estatísticas da União Europeia (UE), confirmando os dados da primeira leitura divulgada no final de julho. No conjunto dos 27 países da UE, o PIB caiu 11,7% no segundo trimestre perante os três meses anteriores e 14,1% na comparação com o mesmo período do ano passado. Essas foram, de longe, as quedas mais acentuadas observadas desde o início da série histórica em 1995. O desempenho de abril a junho colocou o bloco econômico em recessão técnica (definida por dois trimestres seguidos de retração). No primeiro trimestre, a economia da zona do euro registrou queda de 3,6%, e a da União Europeia, contração de 3,2%. Entre os países cujas informações já foram divulgadas, a Espanha registrou a maior contração no trimestre, na comparação com os três meses anteriores: 18,5%. Em Portugal, a queda foi de 13,9%, na França, de 13,8%, na Itália, de 12,4%, e na Alemanha, 10,1%. (Fonte: G1)
• O Produto Interno Bruto (PIB) do Reino Unido encolheu 20,4% no segundo trimestre ante os três meses iniciais de 2020, registrando a maior contração da história, como resultado das medidas de isolamento adotadas para conter a disseminação da covid-19, segundo dados preliminares divulgados nesta quarta-feira, 12, pelo Escritório Nacional de Estatísticas (ONS, na sigla em inglês) do país. O resultado, porém, ficou acima da expectativa de analistas consultados pelo The Wall Street Journal, que previam queda de 21,4% do PIB no período. (Fonte: IstoÉ Dinheiro)
• A Argentina e o Fundo Monetário Internacional (FMI) provavelmente não chegarão a um acordo sobre um novo programa de financiamento até o início do ano que vem, disse nesta terça-feira o ministro da Economia do país sul-americano. O governo, que chegou a um acordo provisório com seus credores na semana passada para reestruturar 65 bilhões de dólares em dívida externa, agora está focado na negociação de um novo programa com o FMI. O novo programa substituirá um acordo de financiamento de 57 bilhões de dólares com o Fundo, criado em 2018. “Essa será uma negociação difícil e complexa”, disse o ministro da Economia, Martín Guzmán, em entrevista à estação de rádio local Metro 95,1. (Fonte: Money Times)
• Depois de entrar em recessão no primeiro trimestre, o governo do Japão anunciou nesta segunda-feira que o PIB caiu 7,8% no segundo trimestre na comparação com o primeiro, o que representa o terceiro trimestre consecutivo de números negativos para a economia nipônica. A queda da economia japonesa é a mais expressiva desde que o país do sol nascente começou a compilar dados comparáveis em 1980. A terceira maior economia do planeta entrou em recessão no primeiro trimestre de 2020, mas com uma queda limitada a 0,6%, após a baixa de 1,9% no quarto trimestre de 2019. (Fonte: UOL)
• Israel e Emirados Árabes Unidos normalizarão suas relações, em um pacto que poderia ser seguido por outras nações árabes. Em um acordo anunciado ontem por Donald Trump, os israelenses se comprometeram a suspender a intenção de anexar parte do território ocupado da Cisjordânia para se concentrar em melhorar seus laços com o restante dos países árabes. Desde sua fundação, em 1948, Israel não tinha relações diplomáticas com países do Golfo Pérsico e os recentes anúncios de anexação de parte da Cisjordânia eram encarados como um empecilho para a regularização dos laços entre os países, apesar da ameaça comum que ambos sofrem, que é o aumento da influência regional do Irã. A Autoridade Palestina convocou para consultas seu embaixador em Abu Dhabi, em protesto pela medida. Os palestinos também pediram uma reunião de emergência da Liga Árabe. Em um comunicado, o presidente palestino, Mahmoud Abbas, rejeitou o acordo trilateral e disse que ele representava uma traição a “Jerusalém, a Al-Aqsa e à causa palestina”. (Fonte: Estadão)
• O candidato democrata Joe Biden escolheu a senadora Kamala Harris como vice de sua chapa na disputa pela presidência americana. Ela é a primeira negra a compor uma chapa presidencial e a terceira mulher a concorrer como vice nos EUA. Como Biden tem 77 anos, Kamala é considerada um potencial sucessor de Biden em 2024, caso ele seja eleito. (Fonte: Estadão)

Dólar e aversão ao risco

(índice de volatilidade dos preços das opções do S&P 500)

O VIX trabalhou em leve queda na última semana na média de 22,52, contra 23,17 da semana anterior.

Perspectivas

A previsão do dólar para 2020

As expectativas dos 104 economistas consultados pelo Banco Central são:

  • Valor mínimo esperado: R$ 4,80
  • Valor médio esperado: R$ 5,24
  • Valor máximo esperado: R$ 5,51

Previsão para PIB

As expectativas dos 77 economistas consultados pelo Banco Central são:

Previsão para IPCA

As expectativas dos 119 economistas consultados pelo Banco Central são:

Dólar americano:

No fechamento de 17/08, o dólar comercial operava em alta de 1,30% cotado a 5,4971

O Dólar Turismo neste mesmo horário era oferecido pela Meu Câmbio a R$ 5,710 + IOF.

Dólar / Real
PeríodoVariaçãoTaxa
17/ago/201,30%5,4971
Na semana0,56%5,4663
No mês5,37%5,2170
No ano37,02%4,0118

Euro:

No fechamento de 17/08, o euro operava em alta de 1,54%, cotado a R$ 6,5230.

O Euro Turismo neste mesmo horário era oferecido pela Meu Câmbio a R$ 6,790 + IOF.

Euro / Real
PeríodoVariaçãoTaxa
17/ago/201,54%6,5230
Na semana1,67%6,4160
No mês6,13%6,1460
No ano45,15%4,4940

Próximos eventos internacionais relevantes:

DataHorárioMoedaEventoPrevisão AtualÚltima Previsão
WedAug 195:00amEURCurrent Account 8.0B
 6:00amEURFinal CPI y/y0.4%0.3%
  EURFinal Core CPI y/y1.2%1.2%
 All DayAllOPEC-JMMC Meetings  
 TentativeEURGerman 30-y Bond Auction -0.06|2.4
 11:30amUSDCrude Oil Inventories -4.5M
 3:00pmUSDFOMC Meeting Minutes  
ThuAug 203:00amEURGerman PPI m/m0.1%0.0%
 8:30amEURECB Monetary Policy Meeting Accounts  
 9:30amUSDPhilly Fed Manufacturing Index21.024.1
  USDUnemployment Claims990K963K
 11:00amUSDCB Leading Index m/m1.0%2.0%
 11:30amUSDNatural Gas Storage 58B
FriAug 214:15amEURFrench Flash Services PMI56.357.3
  EURFrench Flash Manufacturing PMI53.052.4
 4:30amEURGerman Flash Manufacturing PMI52.251.0
  EURGerman Flash Services PMI55.355.6
 5:00amEURFlash Manufacturing PMI52.751.8
  EURFlash Services PMI54.654.7
 10:45amUSDFlash Manufacturing PMI51.650.9
  USDFlash Services PMI50.750.0
 11:00amEURConsumer Confidence-15-15
  USDExisting Home Sales5.40M4.72M

RELACIONADOS


Comece seu dia bem informado com nosso Café Com Câmbio de hoje 15/01

As principais notícias que afetam o dólar comercia […] LEIA MAIS


Comece seu dia bem informado com nosso Café Com Câmbio de hoje 13/01

As principais notícias que afetam o dólar comercia […] LEIA MAIS

Recentes


Comece seu dia bem informado com nosso Café Com Câmbio de hoje 15/01

As principais notícias que afetam o dólar comercia […] LEIA MAIS


Comece seu dia bem informado com nosso Café Com Câmbio de hoje 13/01

As principais notícias que afetam o dólar comercia […] LEIA MAIS