Bem-vindo, CITRUS 7
TOTAL TRANSFERIDO BRL 1500,00 ECONOMIZADO BRL 44,00

24/11/2020 – Panorama de mercado semanal Meu Câmbio

24 de novembro , 2020 | em #MeuCâmbio |

Principais notícias que afetaram a variação do dólar e demais moedas.

  • Em meio às incertezas sobre os impactos da pandemia de coronavírus no país e no mundo, o mercado brasileiro melhorou a expectativa em relação a uma contração do PIB (Produto Interno Bruto) em 2020, em comparação à semana anterior, segundo os dados do Relatório Focus divulgado dia 20/11 pelo Bacen. Seguem principais dados das medianas de mercado para 2020:
    • PIB: Queda de 4,55%
    • IPCA: 3,45%
    • Câmbio: R$/US$ 5,38
    • Selic: 2,00%

Acompanhe semanalmente a evolução do preço do dólar, euro e saiba tudo que pode influenciar o preço das moedas. Com a Meu Câmbio você tem acesso a toda a informação que precisa para escolher a melhor hora de realizar suas operações cambiais.

Cenário interno

Economia

  • O secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, afirmou na última sexta-feira que a venda de reservas internacionais é uma ação que entra no cardápio do governo para redução da dívida bruta, mas pontuou que quem decide a respeito é o Banco Central. Na noite da véspera, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que seria possível vender “um pouco” das reservas ao falar de medidas que poderiam ser tomadas para diminuição da relação dívida/PIB do Brasil. Questionado a respeito, Waldery defendeu que a fala do ministro “entrou num contexto de uma gestão macroeconômica mais integrada e melhor feita, melhor desenhada”. “Sim, a posteriori, uma vez que o Banco Central decida tomar suas ações, há um impacto positivo, inclusive sobre o montante da dívida bruta”, respondeu. Ele exemplificou que em 2019 a venda de reservas pelo BC contribuiu para diminuir a dívida bruta sobre o PIB em quase 2 pontos. As antecipações de recursos do BNDES ao Tesouro contribuíram com recuo de mais 1,2 ponto, segundo Waldery. (Fonte: Money Times)
  • A economia brasileira registrou alta de 7,5% no terceiro trimestre, na comparação com os três meses anteriores, segundo dados do Monitor do PIB-FGV, divulgados pela Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta quinta-feira (19). Frente ao mesmo período de 2019, no entanto, o resultado é uma queda de 4,4%. Segundo a FGV, em setembro o PIB teve uma alta de 1,1% ante o mês anterior. Já na comparação com o mesmo mês do ano passado recuou 2,3%. “O forte crescimento de 7,5% da economia brasileira no 3º trimestre, reverte, em parte, a forte retração de 9,7% registrada no 2º trimestre deste ano, em função da chegada da pandemia de Covid-19 ao Brasil, a partir de março”, diz em nota o coordenador da pesquisa, Claudio Considera. (Fonte: G1)
  • O saldo da balança comercial do agronegócio brasileiro registrou um valor recorde nos primeiros 10 meses de 2020, segundo a Confederação de Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). De acordo com os dados postados nesta quinta-feira (19) no site oficial do órgão, o saldo apresentou um superávit de US$ 75,5 bilhões, o maior da História para o período. O saldo positivo foi alcançado com a receita das exportações totalizando US$ 85,8 bilhões, 5,7% maior do que nos 10 primeiros meses de 2019, e equivalente a 189,4 milhões de toneladas embarcadas (12,4% a mais que no ano passado). De acordo com o boletim da CNA, os principais produtos que movimentaram as exportações do agronegócio entre janeiro e outubro foram, pela ordem:
    • soja em grãos (US$ 28 bilhões);
    • carne bovina in natura (US$ 6,1 bilhões);
    • açúcar de cana em bruto (US$ 6 bilhões);
    • celulose (US$ 5 bilhões);
    • farelo de soja (US$ 5 bilhões).
  • Os cinco produtos representaram 58,3% da pauta exportadora do agro brasileiro no período, tendo como principais destinos China (US$ 30,8 bilhões, 35,8%), União Europeia (US$ 13,9 bilhões, 16,2%), Estados Unidos (US$ 5,6 bilhões, 6,5%), Japão (US$ 2,1 bilhões, 2,4%) e Coreia do Sul (US$ 1,8 bilhão, 2,1%). (Fonte: Eu Quero Investir)
  • A Secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Economia informou nesta terça-feira (17) que elevou de 2,35% para 4,10% a estimativa de inflação de 2020 medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). O INPC baseia a correção anual do salário mínimo pelo governo. Se esse aumento previsto pelo governo se confirmar e não houver mudança no cálculo, o reajuste do salário mínimo de 2021 também será maior que o estimado anteriormente. Atualmente, o salário mínimo está em R$ 1.045. Com a nova previsão para o INPC no acumulado de 2020, o valor subiria para R$ 1.087,84 no ano que vem. Esse valor está R$ 20,84 acima da última proposta oficial do governo para o salário mínimo em 2021, divulgada em agosto, de R$ 1.067. De acordo com informações do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), o salário mínimo serve de referência para 49 milhões de trabalhadores no Brasil. O valor para o salário mínimo de 2021 pode sofrer novas alterações no decorrer deste ano, com base nas projeções de inflação para o ano de 2020 (utilizadas como parâmetro para correção). (Fonte: G1)
  • A disparada do IGP-M, índice mais utilizado na correção dos contratos de aluguel, tem colocado lojistas e shoppings novamente na mesa de negociação. Nos primeiros meses da pandemia, as partes chegaram a um acordo para a suspensão da cobrança do aluguel durante o período em que as lojas ficassem fechadas. Agora, com os shoppings reabertos, mas com movimento ainda inferior ao do ano passado, os inquilinos pressionam as redes para evitar o repasse integral do IGP-M, que acumula alta de 24,25% em 12 meses – bem acima da inflação oficial (medida pelo IPCA), de 3,14%. Embora as vendas do varejo tenham entrado num ciclo de recuperação, a Associação de Lojistas de Shoppings (Alshop) e a Associação Brasileira dos Lojistas Satélites (Ablos) argumentam que essa melhora ainda não é uniforme. Segundo as entidades, o volume de negócios está até 30% abaixo do registrado neste mesmo período de 2019. “Qualquer argumento no sentido de não absorver esse aumento do IGP-M é válido. As vendas ainda não voltaram ao patamar do ano passado. Além disso, os lojistas não têm conseguido repor os estoques em razão da falta de insumos da indústria”, diz o diretor institucional da Alshop, Luis Augusto Ildefonso. Ele explica que, desde o início da crise, os shoppings têm cedido nas negociações. “Se em abril e março houve algum endurecimento, logo depois, em maio e junho, houve concessões para não aumentar a vacância”, afirma. “Agora, em função das vendas mais baixas, há a expectativa de que haja acertos em relação a esse ajuste do IGP-M.” Ele aponta que os shoppings perderam “poder de bala” em razão do fechamento de lojas e do menor fluxo de clientes. (Fonte: Estadão)
  • A aceleração da inflação oficial no País nos meses de setembro e outubro fez o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) elevar sua projeção para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2020 de 2,3% para 3,5%. A alta recente do IPCA foi puxada não apenas pelo encarecimento dos alimentos, mas também pela recuperação dos preços dos demais bens de consumo e dos serviços livres, apontou o órgão. A nova projeção considera as pressões sobre os preços impostas pela retomada do consumo de bens, pela desvalorização do real ante o dólar e pela alta recente nos preços internacionais de commodities. “Apesar dessa alta, o cenário inflacionário segue benigno: a taxa projetada ainda se encontra compatível com a meta de inflação estipulada para 2020 (4,0%)”, ponderaram os técnicos Maria Andréia Parente Lameiras e Marcelo Lima de Moraes, autores da análise do Ipea. (Fonte: IstoÉ Dinheiro)

No cenário externo:

  • Reino Unido assinou um acordo comercial provisório com o Canadá neste sábado, como parte de um esforço do país para consolidar relações comerciais bilaterais enquanto aguarda o encerramento do período de transição para a sua saída da União Europeia. A expectativa era de que o acordo fosse negociado até o fim do ano, conforme afirmado pela ministra de Comércio do Reino Unido, Liz Truss, nesta semana. Este é o segundo grande pacto firmado até o momento para o período pós-Brexit, com o primeiro envolvendo o Japão. De acordo com o governo britânico, o acordo provisório abre caminho para futuras negociações sobre novos compromissos comerciais “feitos sob medida entre o Reino Unido e o Canadá”. Em comunicado, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, disse que a medida “assegura o comércio transatlântico com um de nossos aliados mais próximos”, acrescentando que essa é uma oportunidade de garantir que o comércio bilateral cresça cada vez mais. (Fonte: Estado de Minas)
  • Dados da Sociedade de Telecomunicações Financeiras Interbancárias Mundiais (SWIFT, na sigla em inglês), que coordena mensagens de pagamentos internacionais para mais de 11 mil instituições financeiras em 200 países, mostram que a moeda única da União Europeia e o dólar foram seguidos pela libra esterlina e pelo iene japonês. O dólar canadiano ultrapassou o yuan da China e ocupou a quinta posição, segundo a SWIFT. Obstáculos comerciais, a recessão provocada pela pandemia e a desarmonia política renovaram a pressão para reduzir o peso dos pagamentos internacionais em dólares. A divisa dos Estados Unidos desvalorizou mais de 11% desde o pico de março, segundo um índice da Bloomberg que segue um cabaz com as principais moedas, e muitos observadores antecipam uma maior desvalorização. O dólar continua, no entanto, a ser a principal moeda de financiamento, com cerca da metade de todos os empréstimos e títulos de dívida internacionais denominados na nota verde, segundo o relatório de julho do Banco de Pagamentos Internacionais. Cerca de 85% de todas as transações de câmbio são realizadas contra o dólar e representam 61% das reservas internacionais oficiais, disse o BIS, acrescentando que cerca da metade do comércio internacional é faturado na moeda americana. Cerca de 37,82% das transferências em dinheiro via SWIFT foram realizadas em euros no mês passado, a maior percentagem desde fevereiro de 2013. É um aumento de mais de 6 pontos percentuais em relação ao final do ano passado. O uso do dólar americano caiu cerca de 4,6 pontos percentuais em relação a dezembro, para 37,64% das transações no mês passado. O dólar atingiu o pico de 45,3% em abril de 2015. Juntas, as moedas britânica, japonesa e canadiana representaram 12,25% das transações em outubro. A participação do yuan caiu para 1,66% das transações, o pior desempenho desde abril. A moeda chinesa estava em 35º lugar em outubro de 2010, quando a SWIFT começou a rastrear as moedas desta forma. O yuan ficou entre as seis primeiras em 2014, e tem uma média geral de pouco menos de 2% de participação global desde então. (Fonte: Jornal de Negócios – Portugal)
  • A União Europeia e o Reino Unido avançaram mais rumo a um acordo comercial nos últimos dias, mas ainda há muito trabalho a fazer para que um pacto entre em vigor até o prazo do final do ano, disse a executiva-chefe do bloco nesta sexta-feira (19). Diplomatas informados mais cedo pelo Executivo da UE, que está negociando com o Reino Unido em nome dos 27 países-membros, disseram que Bruxelas e Londres continuam em choque a respeito dos direitos de pesca, garantias de concorrência justa e maneiras de resolver disputas futuras. Mas a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, adotou um tom mais otimista sobre as conversas de última hora em uma coletiva de imprensa, destacando o progresso na questão de se assegurar condições igualitárias para a ajuda estatal. (Fonte: G1)
  • O Produto Interno Bruto (PIB) dos países que integram a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) cresceu 9% no terceiro trimestre de 2020, na comparação trimestral, depois de ter contraído 9,8% entre abril e junho. A atividade econômica, contudo, ainda permanece 4,3% abaixo do nível anterior à pandemia de covid-19, de acordo com um relatório publicado nesta quinta-feira pela OCDE. (Fonte: IstoÉ Dinheiro)
  • Câmara dos Deputados da Argentina aprovou na madrugada de hoje um projeto de lei que cria um imposto “extraordinário” para as pessoas que possuam um patrimônio superior a 200 milhões de pesos (US$ 2,35 milhões ou R$ 12,5 milhões). O debate sobre a taxação das grandes fortunas durou cerca de 13 horas e o texto final foi aprovado por 133 a 115 votos, seguindo agora para discussão no Senado. De acordo com as estimativas do governo, a meta é arrecadar até US$ 3 bilhões com um imposto que varia de 2% a 3,5% de acordo com o valor do patrimônio. (Fonte: Bol – UOL)
  • O presidente Donald Trump segue entrincheirado na Casa Branca, sem aparições públicas, enquanto a pandemia avança e seus advogados colecionam derrotas nos tribunais. Ontem, líderes do Partido Republicano aumentaram a pressão para que ele aceite a derrota e conceda uma transferência de poder para o democrata Joe Biden. Os dois últimos conselheiros de Segurança Nacional dos EUA, o general Herbert Mcmaster e John Bolton, criticaram ontem o comportamento do presidente em aparições na TV. (Fonte: Estadão)

Dólar e aversão ao risco

(índice de volatilidade dos preços das opções do S&P 500)

O VIX trabalhou nessa semana na média de 23,162 contra 24,49 da semana anterior

Perspectivas

A previsão do dólar para 2020

As expectativas dos 107 economistas consultados pelo Banco Central são:

  • Valor mínimo esperado: R$ 5,20
  • Valor médio esperado: R$ 5,42
  • Valor máximo esperado: R$ 5,80

Previsão para PIB

As expectativas dos 81 economistas consultados pelo Banco Central são:

Previsão para IPCA

As expectativas dos 123 economistas consultados pelo Banco Central são:

Dólar americano:

No fechamento de 23/11, o dólar comercial operava em alta de 0,88% % cotado a 5,433

O Dólar Turismo neste mesmo horário era oferecido pela Meu Câmbio a R$ 5,65 + IOF.

Dólar / Real
PeríodoVariaçãoTaxa
23/nov/200,88%5,4330
Na semana-0,08%5,4375
No mês-5,32%5,7380
No ano35,43%4,0118

Euro:

No fechamento de 23/11, o euro operava em alta de 0,77%, cotado a R$ 6,434.

O Euro Turismo neste mesmo horário era oferecido pela Meu Câmbio a R$ 6,70 + IOF.

Euro / Real
PeríodoVariaçãoTaxa
23/nov/200,77%6,4340
Na semana-0,09%6,4400
No mês-3,71%6,6820
No ano43,17%4,4940

Principais eventos internacionais da semana

DataHorárioMoedaEventoPrevisão AtualÚltima Previsão
Quarta-25/116:00amEURECB Financial Stability Review  
 10:30amUSDPrelim GDP q/q33.1%33.1%
  USDUnemployment Claims733K742K
  USDCore Durable Goods Orders m/m0.3%0.9%
  USDDurable Goods Orders m/m1.0%1.9%
  USDGoods Trade Balance-80.0B-79.4B
  USDPrelim GDP Price Index q/q3.6%3.6%
  USDPrelim Wholesale Inventories m/m 0.4%
 11:00amEURBelgian NBB Business Climate -8.5
 12:00pmUSDRevised UoM Consumer Sentiment76.977.0
  USDCore PCE Price Index m/m0.0%0.2%
  USDNew Home Sales972K959K
  USDPersonal Income m/m0.1%0.9%
  USDPersonal Spending m/m0.5%1.4%
  USDRevised UoM Inflation Expectations 2.8%
 12:30pmUSDCrude Oil Inventories 0.8M
 2:00pmUSDNatural Gas Storage 31B
 4:00pmUSDFOMC Meeting Minutes  
Quinta-26/114:00amEURGerman GfK Consumer Climate-4.9-3.1
 6:00amEURM3 Money Supply y/y10.4%10.4%
  EURPrivate Loans y/y 3.1%
 9:30amEURECB Monetary Policy Meeting Accounts  
Sexta-27/114:00amEURGerman Import Prices m/m0.1%0.3%
 4:45amEURFrench Consumer Spending m/m4.2%-5.1%
  EURFrench Prelim CPI m/m0.0%0.0%
  EURFrench Prelim GDP q/q18.2%18.2%


RELACIONADOS


Comece seu dia bem informado com nosso Café Com Câmbio de hoje 22/01

As principais notícias que afetam o dólar comercia […] LEIA MAIS


Comece seu dia bem informado com nosso Café Com Câmbio de hoje 21/01

As principais notícias que afetam o dólar comercia […] LEIA MAIS

Recentes


Comece seu dia bem informado com nosso Café Com Câmbio de hoje 22/01

As principais notícias que afetam o dólar comercia […] LEIA MAIS


Comece seu dia bem informado com nosso Café Com Câmbio de hoje 21/01

As principais notícias que afetam o dólar comercia […] LEIA MAIS