Bem-vindo, CITRUS 7
TOTAL TRANSFERIDO BRL 1500,00 ECONOMIZADO BRL 44,00

01/09/2020 – Panorama de mercado semanal

01 de setembro , 2020 | em #MeuCâmbio |

Análise Meu Câmbio

Acompanhe semanalmente a evolução do preço do dólar, euro e saiba tudo que pode influenciar o preço das moedas. Com a Meu Câmbio você tem acesso a toda a informação que precisa para escolher a melhor hora de realizar suas operações cambiais.

Para ler mais conteúdos relacionados a Importação, Exportação, Registros Declaratórios eletrônicos do Banco Central do Brasil e muito mais, visite nossa página de dicas >>

Cenário interno

Economia

  • Em meio às incertezas sobre os impactos da pandemia de coronavírus no país e no mundo, o mercado brasileiro melhorou a expectativa em relação a uma contração do PIB (Produto Interno Bruto) em 2020, em comparação à semana anterior, segundo os dados do Relatório Focus divulgado dia 28/08 pelo Bacen. Seguem principais dados das medianas de mercado para 2020:
    • PIB: Queda de 5,28%
    • IPCA: 1,77%
    • Câmbio: R$/US$ 5,25
    • Selic: 2,00%
  • As contas externas registraram saldo positivo em julho pelo quarto mês seguido, informou hoje (25), em Brasília, o Banco Central (BC). O superávit em transações correntes, que são as compras e vendas de mercadorias e serviços e transferências de renda do Brasil com outros países, chegou a US$ 1,628 bilhão. Esse foi primeiro saldo positivo em julho desde 2006 (US$ 3,007 bilhões). Em julho de 2019, foi registrado déficit em transações correntes de US$ 9,790 bilhões. “Essa reversão [do saldo negativo em julho no ano passado para superávit em 2020] decorreu de alta de US$ 5,7 bilhões no superávit da balança comercial de bens e das reduções de US$ 4 bilhões e de US$ 1,6 bilhão nos déficits em renda primária e serviços, na ordem”, destaca relatório do BC. Nos sete meses do ano, as transações correntes tiveram déficit de US$ 11,798 bilhões, contra o saldo negativo de US$ 30,988 bilhões em igual período de 2019. Em 12 meses encerrados em julho, o déficit chegou a US$ 31,737 bilhões (2% do Produto Interno Bruto – PIB, a soma de todos os bens e serviços produzidos no país), ante US$ 43,155 bilhões (2,65% do PIB) até junho deste ano. (Fonte: Agência Brasil – EBC)

Balança comercial

Em julho, as exportações de bens totalizaram US$ 19,652 bilhões e as importações, US$ 12,269 bilhões, resultando no superávit comercial de US$ 7,383 bilhões, contra US$ 1,653 bilhão no mesmo mês do ano passado. De janeiro a julho, o superávit comercial chegou a US$ 26,223 bilhões, ante US$ 23,910 bilhões do mesmo período de 2019. (Fonte: Agência Brasil – EBC)

Serviços

O déficit na conta de serviços (viagens internacionais, transporte e aluguel de equipamentos, entre outros) atingiu US$ 1,819 bilhão em julho, ante US$ 3,439 bilhões em igual período de 2019. Nos sete meses do ano, o saldo negativo chegou a US$ 12,232 bilhões, resultado menor que o registrado de janeiro a julho de 2019, de US$ 20,860 bilhões. (Fonte: Agência Brasil – EBC)

Viagens internacionais

O resultado das viagens internacionais – que fazem parte da conta de serviços – ficou negativo em US$ 127 milhões, contra US$ 1,3 bilhão. Esse saldo é formado pelas receitas de estrangeiros (US$ 140 milhões em julho) no Brasil e os gastos de brasileiros no exterior (US$ 267 milhões). De janeiro a julho, as despesas superaram as receitas em US$ 1,769 bilhão, contra o saldo também negativo de US$ 7,030 bilhões em igual período de 2019. As viagens internacionais têm sido afetadas pelas restrições de entrada e saída dos países e pelas medidas de isolamento social, necessárias para o enfrentamento da pandemia de covid-19. (Fonte: Agência Brasil – EBC)

Rendas

Em julho de 2020, o déficit em renda primária (lucros e dividendos, pagamentos de juros e salários) chegou a US$ 4,148 bilhões, contra US$ 8,165 bilhões no mesmo período de 2019. De janeiro a julho, o saldo negativo ficou em US$ 27,276 bilhões, ante US$ 34,410 bilhões em igual período do ano passado. A conta de renda secundária (gerada em uma economia e distribuída para outra, como doações e remessas de dólares, sem contrapartida de serviços ou bens) teve resultado positivo de US$ 211 milhões, contra US$ 161 milhões em julho de 2019. Nos sete meses do ano, o resultado positivo chegou a US$ 1,487 bilhão, ante US$ 1,168 bilhão em igual período de 2019. (Fonte: Agência Brasil – EBC)

Investimentos

  • Os ingressos líquidos em investimentos diretos no país (IDP) somaram US$ 2,685 bilhões no mês passado, ante US$ 5,328 bilhões em julho de 2019. De janeiro a julho, o IDP chegou a US$ 25,527 bilhões, ante US$ 36,475 bilhões nos sete meses de 2019. Nos 12 meses encerrados em julho de 2020, o IDP totalizou US$ 62,555 bilhões, correspondendo a 3,94% do PIB, em comparação a US$ 65,198 bilhões (4,01% do PIB) em junho. De acordo com o chefe do Departamento de Estatísticas do Banco Central, Fernando Rocha, o IDP “foi bastante atingido pelos efeitos da pandemia”, devido à situação de incerteza sobre a volta da atividade econômica à normalidade, tempo de duração do contágio da doença e letalidade. “Os investimentos diretos são de mais longo prazo e flutuações na atividade econômica de curto prazo têm um impacto menos relevante. Mas no caso da pandemia, houve impactos econômicos inéditos e muita incerteza” disse. Ele acrescentou que fluxos de IDP foram interrompidos, principalmente em abril. Em julho, os investimentos em carteira no mercado doméstico totalizaram ingressos líquidos (descontadas as saídas) de US$ 885 milhões, dos quais US$ 333 milhões em títulos de dívida e US$ 553 milhões em ações e fundos de investimento. Nos sete primeiros meses de 2020, houve saídas líquidas de US$ 30,626 bilhões, contra ingressos líquidos de US$ 14,073 bilhões, em período similar do ano passado. (Fonte: Agência Brasil – EBC)
  • Os resultados do mercado de trabalho na primeira semana de agosto sugerem que a flexibilização das medidas de isolamento social de combate à disseminação do novo coronavírus melhorou a situação do emprego no País, afirmou Maria Lucia Vieira, coordenadora de Trabalho e Rendimento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A taxa de desemprego diminuiu de 13,7% na quarta semana de julho para 13,3% na primeira semana de agosto, segundo os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Covid (Pnad Covid-19), divulgados pelo IBGE. “Esses indicadores semanais oscilam bastante, mas se esse movimento se confirmar em mais uma semana, poderemos sim dizer que o mercado de trabalho começou a melhorar”, ponderou Maria Lucia. (Fonte: InfoMoney)
  • A expectativa de crescimento para o Produto Interno Bruto (PIB) do setor agropecuário para este ano foi revista de 2% para 1,5%. Para o ano que vem, a projeção é que o índice chegue a 3,2%. A análise está na Carta de Conjuntura referente ao terceiro trimestre de 2020, divulgada hoje (25) pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Segundo o Ipea, há melhora nas estimativas para a lavoura neste ano, que passou de 3% para 3,6%, com o crescimento da produção de soja em 5,9%, de arroz em 7,3%, do trigo, 41%, da cana-de-açúcar, 2,4%, e do café, em 18,2%, de acordo com o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola do IBGE. Porém, a pecuária aponta para queda de 2,8%, principalmente por causa da produção de carne bovina, com previsão de diminuir 6,3%. A estimativa do instituto se baseia na diminuição da oferta desde o começo do ano, após a forte alta verificada no segundo semestre de 2019, além da paralisação de alguns frigoríficos provocada pela pandemia da covid-19. (Fonte: ISTOÉ Dinheiro)
  • A Moody’s manteve a previsão de queda de 6,2% para o PIB do Brasil em 2020, com crescimento de 3,6% em 2021. O tombo do PIB brasileiro neste ano só é inferior, entre os emergentes citados pela empresa, ao de Argentina (-12%), México (-10%) e África do Sul (-6,5%). Na média de 10 emergentes que compõem o G-20, o PIB recuará 1,4% em 2020, com crescimento de 5,9% no próximo ano. (Fonte: ISTOÉDinheiro)
  • O Conselho Monetário Nacional (CMN) autorizou o Banco Central a repassar R$ 325 bilhões de seu lucro para o Tesouro. De acordo com o conselho, o dinheiro deverá ser usado no abatimento da dívida interna do governo. O valor ficou abaixo dos R$ 445 bilhões pedidos pelo Ministério da Economia porque o BC se mostrou resistente à operação. O CMN informou, porém, que o valor poderá ser ampliado “caso haja necessidade”. (Fonte: Estadão)

Empresas:

  • Estudo feito para o Estadão pela Economatica, empresa de dados de mercado, aponta que as companhias não financeiras de capital aberto tiveram redução de 81,9% no lucro líquido no primeiro semestre de 2020 em relação ao mesmo período de 2019. Os ganhos caíram de R$ 49,2 bilhões para R$ 8,9 bilhões. O levantamento incluiu 218 empresas não financeiras, de diferentes ramos de atividade, que divulgaram balanços até 21 de agosto. Como os resultados de Petrobrás, Vale, Braskem, Suzano, Oi e Azul provocariam distorção nos dados, essas empresas foram excluídas da amostra. Uma queda desta grandeza nos lucros das grandes companhias se propaga por toda a economia e tem efeitos no mercado de trabalho. A taxa de desemprego, que era de 10,5% na primeira semana de maio, passou para 13,7% na última semana de julho e teve ligeira redução no início de agosto, para 13,3%. Apesar dos danos provocados pela pandemia nos negócios, analistas afirmam que os resultados foram melhores do que o esperado. Os balanços do segundo trimestre mostraram reação das vendas e receitas em alta. (Fonte: Estadão)
  • No primeiro semestre de 2020, marcado pela pandemia, o Bradesco superou o Itaú Unibanco, seu maior rival, e ficou no topo da lista das companhias abertas com os maiores lucros na América Latina. Segundo levantamento realizado pela Economatica, uma empresa de dados financeiros, o Bradesco fechou o semestre com lucro líquido de US$ 1,257 bilhão (R$ 6,888 bilhões), enquanto o Itaú Unibanco, o segundo colocado, teve ganho de US$ 1,246 bilhão (R$ 6,825 bilhões). A pesquisa incluiu 582 empresas de diferentes setores que divulgaram os balanços do segundo trimestre, para compor o resultado semestral, até o dia 21. O levantamento levou em conta o lucro contábil atribuído aos acionistas, usado como base para distribuição de dividendos, e deixou de fora a parcela do resultado que vai só para os minoritários das subsidiárias. (Fonte: Estadão) Com ganho de R$ 6,88 bilhões, o Bradesco foi a companhia aberta com maior lucro na América Latina no primeiro semestre, entre 582 empresas. A Petrobrás teve o maior prejuízo, de US$ 9,4 bilhões (R$ 51,5 bi).
  • A lista de empresas que miram uma abertura de capital em setembro e outubro já inclui mais de 40 empresas. Perto do fim do prazo para protocolar o pedido de IPO (oferta inicial de ações, na sigla em inglês) nos próximos dois meses, novas empresas entraram na fila de estreias na B3, a Bolsa paulista. Entre elas estão a rede de farmácias Nissei, do Paraná, e a varejista Le Biscuit, com sede na Bahia. O grupo inclui também a Aeris (fabricante de pás eólicas) e duas incorporadoras – a Urbe, da MRV, e a HBR Realty. Por se tratar da primeira documentação, os prospectos das ofertas ainda não trazem detalhes sobre as operações. (Fonte: Estadão)

No cenário externo:

  • Os gastos dos consumidores dos Estados Unidos aumentaram mais do que o esperado em julho, fortalecendo as expectativas de uma forte recuperação do crescimento econômico no terceiro trimestre, embora o impulso deva enfraquecer diante da pandemia de Covid-19 e do fim do estímulo fiscal. O relatório do Departamento do Comércio norte-americano divulgado nesta sexta-feira também mostrou um salto na renda pessoal após duas quedas mensais consecutivas, mas grande parte do aumento decorre de auxílios-desemprego, que foram reforçados com suplementos semanais de 600 dólares do governo e que expiraram em 31 de julho. Os gastos e a renda do consumidor permaneceram bem abaixo de níveis anteriores à pandemia. (Fonte: UOL)
  • O governo argentino está confiante em conseguir “alta adesão” de credores internacionais em sua proposta de reestruturação de cerca de 65 bilhões de dólares em dívidas, disse uma fonte oficial nesta sexta-feira, data em que expira a proposta. Os três principais comitês de credores endossaram um acordo no início deste mês, reforçando a confiança de que o governo obterá o nível de apoio necessário para permitir que um acordo completo seja executado sem pendências. A fonte do governo argentino, que pediu para não ser identificada, disse que “até segunda-feira não haverá comunicação” sobre o grau de aceitação registrado. (Fonte: Money Times)
  • O Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) apresentou nesta quinta-feira (27) uma nova estratégia agressiva para levar os Estados Unidos de volta ao pleno emprego e elevar a inflação a níveis mais saudáveis em um mundo em que agora acredita que “riscos negativos ao emprego e à inflação aumentaram”. Com a nova estratégia, o Fed vai permitir uma inflação maior para maximizar a criação de empregos. Segundo a nova abordagem, apresentada em um novo comunicado sobre as metas de longo prazo e estratégia de política monetária do Fed aprovadas por todos os 17 membros, o banco central dos EUA buscará alcançar inflação de 2% em média ao longo do tempo, compensando os períodos abaixo de 2% com inflação mais alta “por algum tempo”, e para garantir que o emprego não fique aquém de seu nível máximo. “Nosso comunicado revisado reflete nosso reconhecimento dos benefícios de um mercado de trabalho forte, particularmente para muitas comunidades de baixa e moderada rendas, e que um mercado de trabalho robusto pode ser sustentado sem causar um aumento indesejado na inflação”, disse o presidente do Fed, Jerome Powell, em discurso explicando as mudanças. Com a economia dos Estados Unidos em profunda crise econômica e poucos meses antes de os norte-americanos votarem na eleição presidencial, a nova abordagem do Fed é tanto um reconhecimento das mudanças fundamentais na economia que começaram bem antes da crise do coronavírus, quanto um mapa de como o Fed planeja conduzir a política monetária em um mundo onde o crescimento fraco, a inflação baixa e a taxa de juros baixa vieram para ficar. (Fonte: G1)
  • O governo da Argentina enviou ao Congresso nesta sexta-feira, 28, um projeto de lei que pretende arrecadar cerca de 300 bilhões de pesos através de um imposto extraordinário sobre grandes fortunas para cobrir despesas estatais na luta contra a pandemia do novo coronavírus, entre outras medidas sociais. Segundo a proposta, o imposto será aplicado apenas uma vez e teria como contribuintes pessoas com um patrimônio declarado de mais de 200 milhões de pesos (R$ 13 milhões). O projeto de lei foi apresentado pelo deputado Carlos Heller e pelo líder do partido governista Frente de Todos na Câmara, Máximo Kirchner, filho da ex-presidente e atual vice Cristina Kirchner. Cerca de 12 mil pessoas com grandes fortunas seriam alcançadas por esta taxa, que, se aprovada, terá base de 2% e aumentará de acordo com o tamanho do patrimônio. Além disso, contribuintes que estiverem dentro da faixa de cobrança e tiverem bens no exterior terão que pagar uma alíquota 50% maior, de acordo com a iniciativa do governo. O valor arrecadado com o imposto extraordinário será usado para “comprar equipamentos de saúde para enfrentar a pandemia, apoiar as pequenas e médias empresas com subsídios e créditos e desenvolver bairros populares com obras que empregam os moradores”, informou o Frente de Todos em comunicado. O governo também disse querer usar o imposto para realizar obras, equipar a petrolífera estatal YPF para produzir e envasar gás natural e financiar o relançamento de um plano que concede subsídios estudantis a jovens. (Fonte: Estadão)
  • O desempenho da economia dos Estados Unidos no segundo trimestre foi revisada nesta quinta-feira (27) para uma queda de 31,7%, segundo dados do escritório oficial de estatísticas do Departamento do Trabalho do país. A primeira estimativa, divulgada em 30 de julho, apontava para uma contração maior, de 32,9%. No trimestre anterior, a queda havia ficado em 5%. (Fonte: G1)
  • A Argentina busca concretizar um novo programa com o Fundo Monetário Internacional (FMI) com o único objetivo de devolver os quase US$ 44 bilhões que recebeu da entidade durante o governo do ex-presidente Mauricio Macri, disse nesta quinta-feira (27) o diretor executivo do organismo para o Cone Sul. Em 2018, Macri negociou com o FMI um contrato de crédito no valor de US$ 57 bilhões como parte de um plano fracassado para deter o colapso do peso argentino e evitar um novo calote da dívida. A Argentina recebeu US$ 44 bilhões desse acordo antes que o atual governo do presidente Alberto Fernández, que assumiu o cargo em dezembro do ano passado, cancelasse o programa. A Argentina não deve buscar uma redução de dívida pelo FMI. Nas negociações com credores privados, estes concordaram em receber menos do que o prometido quando compraram títulos da Argentina, que afirma não poder honrar esses compromissos integralmente sem piorar sua já abalada economia. (Fonte: G1)
  • Israel mantém negociações secretas com líderes árabes e muçulmanos a respeito da normalização de suas relações, revelou ontem o primeiro-ministro israelense, Binyamin Netanyahu, na véspera da inauguração do primeiro voo comercial direto entre o Estado judaico e os Emirados Árabes Unidos. Desde o anúncio do dia 13, feito por Washington, da normalização das relações entre Israel e os Emirados, que mantêm laços informais há anos, os telefonemas entre os ministros aumentaram, e foram fechados os primeiros contratos comerciais. No sábado, Abu Dhabi revogou uma lei de 1972 que instituía um boicote a Israel. Em viagem pelo Oriente Médio na semana passada, com passagem por Sudão, Bahrein e Omã, o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, tentou convencer outros países da região a seguirem o exemplo dos Emirados Árabes. Nos últimos meses, Netanyahu já havia falado com líderes do Sudão, do Chade e de Omã. “Estas são as reuniões conhecidas. Mas há muito mais reuniões não informadas pela mídia com líderes árabes e muçulmanos para normalizar as relações com o Estado de Israel”, disse o premiê, sem revelar os países envolvidos nas conversações. Analistas acreditam que Sudão e Bahrein poderão em breve seguir os passos dos Emirados. “Os avanços de hoje serão o padrão de amanhã. Eles abrirão o caminho para outros países normalizarem suas relações com Israel”, declarou Netanyahu, juntamente com o conselheiro sênior da Casa Branca Jared Kushner, genro do presidente Donald Trump, e com o conselheiro de Segurança Nacional dos E UA, Robert O’brien. Até agora, a paz com os palestinos era considerada uma precondição para qualquer normalização das relações entre Israel e o mundo árabe e muçulmano. (Fonte: Estadão)

Dólar e aversão ao risco

(índice de volatilidade dos preços das opções do S&P 500)

O VIX trabalhou em leve queda na última semana na média de 23,02, contra 22,13 da semana anterior.

Perspectivas

A previsão do dólar para 2020

As expectativas dos 101 economistas consultados pelo Banco Central são:

  • Valor mínimo esperado: R$ 5,00
  • Valor médio esperado: R$ 5,41
  • Valor máximo esperado: R$ 5,65

Previsão para PIB

As expectativas dos 74 economistas consultados pelo Banco Central são:

Previsão para IPCA

As expectativas dos 120 economistas consultados pelo Banco Central são:

Dólar americano:

No fechamento de 31/08, o dólar comercial operava em alta de 1,21% cotado a 5,4806

O Dólar Turismo neste mesmo horário era oferecido pela Meu Câmbio a R$ 5,687 + IOF.

Dólar / Real
PeríodoVariaçãoTaxa
31/ago/201,21%5,4806
Na semana-1,99%5,5918
No mês5,05%5,2170
No ano36,61%4,0118

Euro:

No fechamento de 31/08, o euro operava em alta de 1,54%, cotado a R$ 6,5420.

O Euro Turismo neste mesmo horário era oferecido pela Meu Câmbio a R$ 6,801 + IOF.

Euro / Real
PeríodoVariaçãoTaxa
31/ago/201,54%6,5420
Na semana-0,76%6,5920
No mês6,44%6,1460
No ano45,57%4,4940

Principais eventos internacionais da próxima semana:

DataHorárioMoedaEventoPrevisão AtualÚltima Previsão
WedSep 23:00amEURGerman Retail Sales m/m0.5%-1.6%
 4:00amEURSpanish Unemployment Change -89.8K
 6:00amEURPPI m/m0.5%0.7%
 9:15amUSDADP Non-Farm Employment Change1250K167K
 11:00amUSDFOMC Member Williams Speaks  
  USDFactory Orders m/m4.0%6.2%
 11:30amUSDCrude Oil Inventories -4.7M
 1:00pmUSDFOMC Member Mester Speaks  
 3:00pmUSDBeige Book  
 10:45pmCNYCaixin Services PMI54.054.1
ThuSep 34:15amEURSpanish Services PMI48.051.9
 4:45amEURItalian Services PMI50.051.6
 4:50amEURFrench Final Services PMI51.951.9
 4:55amEURGerman Final Services PMI50.850.8
 5:00amEURFinal Services PMI50.150.1
 6:00amEURRetail Sales m/m1.3%5.7%
 TentativeEURSpanish 10-y Bond Auction  
 TentativeEURFrench 10-y Bond Auction  
 8:30amUSDChallenger Job Cuts y/y 576.1%
 9:30amUSDUnemployment Claims965K1006K
  USDRevised Nonfarm Productivity q/q7.3%7.3%
  USDRevised Unit Labor Costs q/q12.2%12.2%
  USDTrade Balance-52.2B-50.7B
 10:45amUSDFinal Services PMI54.854.8
 11:00amUSDISM Non-Manufacturing PMI57.558.1
 11:30amUSDNatural Gas Storage 45B
FriSep 43:00amEURGerman Factory Orders m/m5.1%27.9%
 3:45amEURFrench Gov Budget Balance -124.9B
 9:30amUSDAverage Hourly Earnings m/m0.0%0.2%
  USDNon-Farm Employment Change1518K1763K
  USDUnemployment Rate9.8%10.2%

RELACIONADOS


Termine sua semana bem informado com nosso #CaféComCâmbio de hoje 23/10

Câmbio de importação com as melhores informações e economia é na Meu Câmbio MERCADO AGORA (10h00) Cotação dólar comercial: R$ 5,5910 -0,05% Cotação euro comercial: R$ 6,623 +0,16 […] LEIA MAIS


Comece a sua quinta-feira bem informado com nosso #CaféComCâmbio de hoje 22/10

Câmbio de importação com as melhores informações e economia é na Meu Câmbio Mercado agora (09h30): Dólar hoje: R$ 5,6120 -0,04% Euro hoje: R$ 6,6376 -0,22% Agenda do dia:LEIA MAIS

Recentes


Termine sua semana bem informado com nosso #CaféComCâmbio de hoje 23/10

Câmbio de importação com as melhores informações e economia é na Meu Câmbio MERCADO AGORA (10h00) Cotação dólar comercial: R$ 5,5910 -0,05% Cotação euro comercial: R$ 6,623 +0,16 […] LEIA MAIS


Comece a sua quinta-feira bem informado com nosso #CaféComCâmbio de hoje 22/10

Câmbio de importação com as melhores informações e economia é na Meu Câmbio Mercado agora (09h30): Dólar hoje: R$ 5,6120 -0,04% Euro hoje: R$ 6,6376 -0,22% Agenda do dia:LEIA MAIS