Bem-vindo, CITRUS 7
TOTAL TRANSFERIDO BRL 1500,00 ECONOMIZADO BRL 44,00

Análise Econômica Semanal Meu Câmbio – 08/09/2021

08 de setembro , 2021 | em #MeuCâmbio |

Acompanhe semanalmente a evolução do preço do dólar, euro e saiba tudo que pode influenciar o preço das moedas. Tenha acesso a toda a informação relevante para realizar sua operação de câmbio.

Economia

Cenário interno

Boletim Focus para 2021:

  • IPCA: 7,76% (+)
  • PIB: 5,15% (-)
  • Câmbio: R$/US$ 5,17 (+)
  • Selic: 7,63% (+)
Boletim Focus - Previsão da cotação do dólar e dos principais indicadores de acordo com pesquisa do BCB de 03-09-2021 - Blog Meu Câmbio
Boletim do Banco Central do Brasil com a expectativa do dólar e dos principais indicadores econômicos.

Taxa de juros

Para alcançar a meta de inflação, o Banco Central usa como principal instrumento a taxa básica de juros, a Selic, estabelecida atualmente em 4,25% ao ano pelo Comitê de Política Monetária (Copom).

Para o mercado financeiro, a expectativa é que a Selic encerre 2021 em 6,75% ao ano. Para o fim de 2022, a estimativa é que a taxa básica suba para 7% ao ano. E tanto para 2023 como para 2024, a previsão é 6,50% ao ano.

Quando o Copom aumenta a taxa básica de juros, a finalidade é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Desse modo, taxas mais altas podem dificultar a recuperação da economia. Na hora de definir os juros cobrados dos clientes, os bancos consideram outros fatores, como risco de inadimplência, lucro e despesas administrativas.

Quando o Copom reduz a Selic, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação e estimulando a atividade econômica.

PIB e câmbio

As instituições financeiras consultadas pelo BC ajustaram a projeção para o crescimento da economia brasileira este ano de 5,26% para 5,27%. Para 2022, a expectativa para Produto Interno Bruto (PIB) – a soma de todos os bens e serviços produzidos no país – é de crescimento de 2,10%. Em 2023 e 2024, o mercado financeiro projeto expansão do PIB em 2,50%. A expectativa para a cotação do dólar se mantém em R$ 5,05 ao final deste ano. Para o fim de 2022, a previsão é que a moeda americana fique em R$ 5,20. (Agência Brasil)

No mercado local, alguns pontos merecem destaques:

  • IGP-DI registra queda de preços de 0,14% em agosto, diz FGV. Com o resultado de agosto deste ano, o IGP-DI acumula taxas de inflação de 15,75% no ano e de 28,21% em 12 meses. Em agosto de 2020, a taxa havia sido de 3,87%. (Agência Brasil)
  • O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux, disse hoje (8) que a Corte não vai aceitar ameaças à sua independência e ao cumprimento de suas decisões. As declarações foram dadas em resposta às falas do presidente Jair Bolsonaro durante as manifestações de 7 de setembro. No início da sessão desta tarde, o presidente do STF leu discurso no qual declarou que críticas institucionais ao trabalho da Corte não se confundem com “narrativas de descredibilização do STF e de seus membros, tal como vem sendo gravemente difundidas pelo chefe da nação”.
  • “Ofender a honra dos ministros, incitar a população a propagar discursos de ódio contra a instituição do Supremo Tribunal Federal e incentivar o descumprimento de decisões judiciais são práticas antidemocráticas, ilícitas e intoleráveis, em respeito ao juramento constitucional que fizemos ao assumirmos uma cadeira na Corte”, afirmou. (Agência Brasil)
  • O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), disse hoje (8) que a Casa vai se posicionar como ponto de pacificação entre Judiciário e Executivo. Lira disse também que não há mais espaço para radicalismos e excessos e que a Câmara está aberta a conversas e negociações para diminuir o atrito entre os Poderes.
  • “A Câmara dos Deputados apresenta-se hoje como um motor de pacificação. Na discórdia, todos perdem, mas o Brasil e a nossa história têm ainda mais o que perder. Nosso país foi construído com união e solidariedade e não há receita para superar a grave crise socioeconômica sem estes elementos”, afirmou Lira.
  • Amazônia em pauta: No dia 03/09 o presidente da França Emmanuel Macron afirmou no evento World Conservation Congress em Marselha, que seu país não importa mais soja que seja fruto do desmatamento, “sobretudo na Amazônia”. O presidente já havia declarado em janeiro que depender da soja brasileira seria “endossar o desmatamento” e afirmou que o país tem um projeto de “soberania alimentar”, a fim de produzir localmente o alimento para o gado, por exemplo. (Estadão)
  • Em compensação, os presidentes dos três maiores bancos privados do Brasil, Itaú Unibanco, Bradesco e Santander, que participaram de um evento para comemorar um ano do Plano Amazônia defendem a preservação da região no Brasil do ponto de vista econômico. Investindo milhões de reais focadas inicialmente em 4 das 10 metas estabelecidas, os bancos acreditam que o desenvolvimento econômico da região é a forma para conseguir a preservação da região, e, que naturalmente o resultado financeiro gerado mostrará que vale mais a pena preservar do que desmatar a região. (Estadão)
  • O IGP-DI (Índice geral de preços) deve mostrar nesta leitura a primeira deflação mensal desde agosto de 2019 (-0,51%), puxada pela redução dos preços industriais com a queda bastante expressiva do minério de ferro em agosto. A desaceleração de outros componentes como diesel e gasolina ajudaram também. O índice será divulgado pela Fundação Getúlio Vargas nesta quarta-feira, 8/09 às 8 horas. (Estadão) 
  • Relatório Focus: A projeção do mercado financeiro para o Produto Interno Bruto (PIB) se alterou de 5,22% para 5,15% para este ano. Para 2022 e 2023 a previsão também caiu, de 2.00% para 1,93% em 2022 e 2,50% para 2,35%. O impacto negativo se dá pela cautela diante das manifestações para o dia 7 de setembro. A apreensão dos investidores se dá pelo posicionamento cada vez mais acuado do governo federal e da queda da popularidade do presidente em recentes pesquisas, além das próprias informações negativas de ordem econômica. (Estadão)
  • Crise hídrica: A nova bandeira de eletricidade já levou à redução das projeções do mercado para o crescimento da atividade econômica em 2022, com pressões sobre a inflação e o consumo. Além disso, o risco crescente de racionamento energético ainda assombra para 2022, que se ocorrer, traria impactos significativos para a economia no ano que vem. O presidente do Ministério de Minas e Energia, Bento Albuquerque, pronunciou que a crise hídrica não será superada ainda neste ano e que o cuidado deve se seguir para os próximos anos. Além disso, com as novas medidas impostas em agosto a expectativa é que a situação melhore no mês de setembro que será essencial para definir o planejamento futuro. Vários economistas como o economista-chefe da Greenbay Investimentos, Flávio Serrano alertou para os crescentes riscos de racionamento de energia, especialmente durante o ano de 2022, caso o próximo período úmido fique muito abaixo da média histórica. (Estadão e Uol)
  • Novas propostas de IR e dividendos e a derrota da MP 1045 que visava relaxar algumas regras trabalhistas, desagradaram o mercado. Isso porque estas medidas sinalizam uma tendência de medidas populistas daqui para frente. Isso mesmo com a redução da taxação de dividendos de 20% propostos inicialmente, para 15%, o investidor manteve-se na defensiva. Conforme um gestor relatou ao Estadão sobre a nova proposta de IR, “Parece que tem muito orgulho/ego envolvido. A proposta que está no Senado é claramente melhor, mas parece que a Câmara e o governo querem focar na deles”. Em relação a Medida Provisória, o ministro da Economia Paulo Guedes disse que o Senado “deu um passo para trás” ao rejeitar a Medida e que ela previa programas de incentivo à criação de empregos. O ministro reiterou que a Medida iria criar novos empregos principalmente para os jovens, sem fragilizar a Consolidação de Leis Trabalhistas (CLT) (Estadão)

LEIA TAMBÉM:

Tudo sobre a DUE – Documento único de exportação

Declaração de Capitais Brasileiros no Exterior 2021 – Quem deve declarar?

Censo de Capitais Estrangeiros no Brasil 2021 – Conheça as obrigações!

Cenário externo

  • O ato de não cobrar taxas de corretagem nas operações com ações em busca de mais volume de negócios por parte de algumas corretoras, pode estar ameaçado. A Securities and Exchange Commission (SEC) alertou na semana passada para a possibilidade de proibição da venda do chamado fluxo de ordens. O objetivo é trazer maior rigidez aos investimentos e desestimular a frequência que os investidores mudem seus investimentos. O objetivo é regular corretoras como a Robinhood que “gamificaram” o mercado de ações por meio da experiência e da interação com o usuário (Valor e Estadão)
  • O índice DAX da bolsa de Frankfurt ganhará 10 novas empresas em sua composição e passará a ter 40 ações. Com as mudanças, as seguintes empresas passarão a fazer parte do principal índice acionário da bolsa alemã, a partir de 20 de setembro: Airbus, Zalando, Siemens Healthiness, Symrise, HelloFresh, Sartorius, Porsche Automobil Holding, Brenntag, Puma e Qiagen. Para integrar o índice as empresas candidatas precisam atender uma liquidez mínima e apresentar Ebitda positivo nos dois últimos balanços anuais. (Estadão)
  • O Federal Reserve tem temor de nova bolha imobiliária devido ao prolongado período de relaxamento da política monetária, em meio à pandemia, que tem impulsionado os preços de imóveis residenciais a níveis recordes nos Estados Unidos. Vários participantes do Comitê Federal de Mercado Aberto já alertaram sobre estes riscos há vários meses e defendem o fim do tapering. Além disso, defenderam uma redução da compra de títulos atrelados a hipotecas (MBS, na sigla em inglês) em ritmo mais rápido do que o de Treasuries por o setor estar excepcionalmente forte. Em audiência na Câmara dos Representantes, em julho, o presidente do Fed, Jerome Powell, minimizou o impacto das aquisições de MBS nos valores das casas, mas reconheceu que o aumento de cerca de 15% nos preços no último ano foi acima do normal. (Estadão)
  • O vice premiê da China Liu He veio a público declarar que o governo vai continuar sustentando o setor privado, em meio a crescentes preocupações com as novas regulações que vem prejudicando as empresas. Liu afirmou que “Orientações e políticas para sustentar a economia privada não mudaram…e não vão mudar no futuro”. Ele também reiterou que o governo vai garantir transparência e previsibilidade buscando sinalizar segurança após as incertezas geradas para as startups e empresas de tecnologias. Estas declarações acompanhadas com os planos para uma nova bolsa em Pequim fizeram com que o mercado acionário da China subisse muito. Por exemplo, o índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, subiu 1,87%, enquanto o índice de Xangai teve alta de 1,12%. (Money Times)

Dólar e aversão ao risco

(índice de volatilidade dos preços das opções do S&P 500)

O VIX trabalhou nessa semana na média de 16,30 contra 17,28 da semana anterior.

VIX Index - Indice VIX de volatilidade - medida de aversão a risco - Meu Câmbio - 08-09-2021
Gráfico do Índice de volatilidade do S&P 500 (VIX).

Perspectivas

A previsão do dólar para 2021

As expectativas dos 105 economistas consultados pelo Banco Central são:

  • Valor mínimo esperado: R$ 4,99 (+)
  • Valor médio esperado: R$ 5,21 (-0,04)
  • Valor máximo esperado: R$ 5,50 (=)
Expectativa de cotação do dólar para 2021 segundo relatório focus do BCB em 03-09-2021
Expectativa do dólar comercial para 2021 para Set-21, Out-21 e Nov-21 segundo Boletim Focus BCB.

Previsão para PIB

As expectativas dos 77 economistas consultados pelo Banco Central são:

Expectativa do PIB para 2021, 2022 e 2023 segundo relatório focus do BCB em 03-09-2021
Expectativa do PIB para 2021, 2022 e 2023 segundo Boletim Focus BCB.

Previsão para IPCA

As expectativas dos 123 economistas consultados pelo Banco Central com atualizações nos últimos 5 dias são:

Expectativa do IPCA para 2021, 2022 e 2023 segundo relatório focus do BCB em 03-09-2021
Expectativa do IPCA para 2021, 2022 e 2023 segundo Boletim Focus BCB.

Saiba tudo sobre o câmbio de importação?

MERCADO HOJE

Dólar americano:

No fechamento de 08/09, o dólar comercial operava em alta de 2,89% cotado a 5,3261.

Dólar / Real
PeríodoVariaçãoTaxa
08/set/212,89%5,3261
Uma semana2,98%5,1719
No mês2,98%5,1719
No ano2,65%5,1887
12 meses0,36%5,3071

Euro hoje:

No fechamento de 30/08, o euro operava em queda de 0,08%, cotado a R$ 6,1230.

Euro / Real
PeríodoVariaçãoTaxa
08/set/212,38%6,2890
Uma semana3,00%6,1060
No mês3,00%6,1060
No ano-1,38%6,3770
12 meses0,06%6,2850

Utilize gratuitamente nossa plataforma para controle dos contratos de câmbio de importação, exportação ou financeiros. Clique aqui e confira!

Agenda da Semana

DataHorárioMoedaEventoPrevisão AtualÚltima Previsão
TueSep 7 3:30amGBPMPC Member Saunders Speaks  
 5:00amEURZEW Economic Sentiment35.342.7
  EURGerman ZEW Economic Sentiment30.240.4
WedSep 810:00amUSDJOLTS Job Openings10.05M10.07M
 11:00amGBPMonetary Policy Report Hearings  
 1:01pmUSD10-Y Bond Auction 1.34|2.6
 1:10pmUSDFOMC Member Williams Speaks  
ThuSep 97:45amEURMonetary Policy Statement  
  EURMain Refinancing Rate 0.00%
 8:30amEURECB Press Conference  
  USDUnemployment Claims 340K
 11:00amUSDCrude Oil Inventories -7.2M
 1:01pmUSD30-Y Bond Auction 2.04|2.2
FriSep 108:30amUSDPPI m/m0.6%1.0%
  USDCore PPI m/m0.5%1.0%

RELACIONADOS


#CaféComCâmbio – 06/07/22

As principais notícias que afetam o dólar comercial nesta quarta-feira 06/07/2022 MERCADO AGORA (10h34) Dólar comercial: R$ 5,4071 +0,36% Euro comercial: R$ 5,5170 -0,25% Lib […] LEIA MAIS


#CaféComCâmbio – 05/07/22

As principais notícias que afetam o dólar comercial nesta terça-feira 05/07/2022 MERCADO AGORA (10h11) Dólar comercial: R$ 5,3820 +1,08% Euro comercial: R$ 5,5370 -0,25% Lib […] LEIA MAIS

Recentes


#CaféComCâmbio – 06/07/22

As principais notícias que afetam o dólar comercial nesta quarta-feira 06/07/2022 MERCADO AGORA (10h34) Dólar comercial: R$ 5,4071 +0,36% Euro comercial: R$ 5,5170 -0,25% Lib […] LEIA MAIS


#CaféComCâmbio – 05/07/22

As principais notícias que afetam o dólar comercial nesta terça-feira 05/07/2022 MERCADO AGORA (10h11) Dólar comercial: R$ 5,3820 +1,08% Euro comercial: R$ 5,5370 -0,25% Lib […] LEIA MAIS