Bem-vindo, CITRUS 7
TOTAL TRANSFERIDO BRL 1500,00 ECONOMIZADO BRL 44,00

Análise Econômica Semanal Meu Câmbio – 20/04/2021

20 de abril , 2021 | em #MeuCâmbio |

Acompanhe semanalmente a evolução do preço do dólar, euro e saiba tudo que pode influenciar o preço das moedas. Tenha acesso a toda a informação relevante para realizar sua operação de câmbio.

Economia

Cenário interno

Boletim Focus para 2021:

  • PIB: 3,04%
  • IPCA: 4,92%
  • Câmbio: R$/US$ 5,40
  • Selic: 5,25%
Boletim Focus - Previsão da cotação do dólar e dos principais indicadores de acordo com pesquisa do BCB de 16-04-2021 - Blog Meu Câmbio
Boletim do Banco Central do Brasil com a expectativa do dólar e dos principais indicadores econômicos.

O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), considerado prévia do Produto Interno Bruto (PIB) da autoridade monetária, teve alta de 1,70% em fevereiro de 2021 na comparação com janeiro, segundo dados do BC divulgados nesta segunda-feira (19). A expectativa dos economistas, segundo projeção mediana em pesquisa Bloomberg, era de uma alta de 0,9% na comparação com janeiro, ante a expansão de 1,04% em janeiro. Comparado com fevereiro do ano passado, houve variação positiva de 0,98%. Na comparação anual, a estimativa era de queda de 0,4%. (Fonte: InfoMoney)

A combinação perversa de três riscos – fiscal, político e da condução da crise sanitária da pandemia da covid-19 – está por trás do patamar elevado do dólar no Brasil, que não cede apesar da maré favorável para o fortalecimento do real frente à moeda norte-americana. Na virada do ano, a expectativa de muitos craques do mercado era de que a perspectiva do início do ciclo de alta de juros pelo Banco Central (BC) e o boom de alta de commodities (produtos básicos, como petróleo, grãos e minério de ferro) contribuiria para a valorização da moeda brasileira. Mas esse movimento não aconteceu. Economistas ouvidos pelo Estadão apontam que o dólar poderia estar abaixo de R$ 5 se não fosse o “caldo” de incertezas que ronda a economia brasileira em 2021. Na sexta-feira, a moeda americana fechou em torno de R$ 5,60. (Fonte: Estadão)

Com um novo boom das commodities (produtos básicos, como petróleo, grãos e minério) no mercado internacional, o Brasil deve voltar a fechar em 2021 as contas externas no azul após 14 anos. De acordo com o Banco Central, depois de um rombo de US$ 12,5 bilhões no ano passado – já considerado baixo para os padrões brasileiros – a estimativa é de saldo positivo de US$ 2 bilhões em 2021, o primeiro superávit desde 2007. A conta de transações correntes no balanço de pagamentos engloba todos os negócios do Brasil com o exterior, incluindo o saldo comercial de mercadorias e serviços, as remessas de lucros e dividendos e os juros pagos pelas empresas, além das transferências pessoais. A última vez em que o resultado ficou no azul ocorreu no boom global das commodities do começo deste século, quando o Brasil registrou superávits por cinco anos consecutivos a partir de 2003. Até o fim do ano passado, o BC previa um novo déficit de US$ 19 bilhões nas contas externas para 2021. Mas, com o aumento nos preços das commodities que o Brasil produz, o BC elevou a projeção de resultado em US$ 21 bilhões, para saldo positivo de US$ 2 bilhões. (Fonte: Estadão)

O governo prevê um salário mínimo de R$ 1.147,00 em 2022, um reajuste de 4,27% em relação aos atuais R$ 1.100,00. Confirmado este valor, será o terceiro ano seguido de reposição do poder de compra apenas pela inflação medida pelo INPC. O último ano de aumento real no piso nacional, segundo a política de valorização do salário mínimo lançada em governos petistas, foi em 2019. A estimativa foi divulgada pelo Ministério da Economia nesta quinta-feira, 15, no âmbito do projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) de 2022. Para 2023, a previsão é de que o salário mínimo será de R$ 1.188, chegando a R$ 1.229 em 2024. (Fonte: Isto é Dinheiro)

Enquanto corrói o poder de compra das famílias, a inflação elevada vai dar uma ajuda relevante para o governo poder gastar mais em pleno ano eleitoral. Segundo as projeções divulgadas ontem pelo governo no projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) de 2022, o teto de gastos crescerá R$ 106,1 bilhões, mais que a soma do reajuste no limite constitucional de despesas feito nos últimos dois anos. Isso ocorre porque o IPCA, índice de inflação que referencia a correção do teto, está projetado em 7,14% para os 12 meses a serem encerrados em junho deste ano, conforme a regra do teto. (Fonte: Valor Investe)

As exportações do agronegócio brasileiro atingiram o valor recorde para o mês de março, alcançando US$ 11,57 bilhões. A cifra nunca havia ultrapassado US$ 10 bilhões para os meses de março, em toda a série histórica desde 1997. O valor é 28,6% superior aos US$ 9,0 bilhões no mesmo período de 2020. Um dos motivos que explicam o bom desempenho do agronegócio é o aumento dos preços dos produtos exportados, que registraram alta de 8,7% na comparação com março de 2020. A quantidade vendida ao exterior registrou aumento de 18,3%. O complexo soja foi o setor de maior destaque, com aumento nas exportações absolutas de US$ 1,66 bilhão. As condições climáticas da safra 2020/2021, que geraram atrasos na colheita do primeiro bimestre de 2021, em função do excesso de chuvas, concentraram os embarques da soja em grãos para março. (Fonte: Comex do Brasil)

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, afirmou nesta quinta-feira (15/04) que a inflação medida em 12 meses “vai atingir níveis altos no meio do ano”. Essa elevação, segundo ele, pode ser explicada em parte pela substituição de números mais baixos do ano passado e pela elevação do preço de commodities. Por isso, destacou Campos, o BC iniciou um movimento de alta de juros. Ele afirmou que as expectativas de inflação para 2022 começaram a subir nos últimos meses, o que também causou a alta da trajetória de preços projetada para 2023 e 2024. (Fonte: Valor Investe)

Os caminhos para investir internacionalmente estão crescendo. Além da possibilidade de abrir conta em instituições estrangeiras, o mercado interno vem expandindo o acesso a alternativas para diferentes perfis de investidores, como fundos, ETFS (fundos de índices listados na bolsa de valores) e BDRS (recibo de ações estrangeiras). Segundo a Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), a indústria de fundos com exposição internacional cresceu no primeiro trimestre de 2021. Os fundos de ações aumentaram quase 60% em quantidade e 129,8% em patrimônio, entre janeiro e março deste ano na comparação com igual período de 2020. O crescimento também foi verificado nos fundos multimercado e de renda fixa. Conforme a Anbima, essas classes de fundos estão na categoria “de investimento no exterior”, que podem aplicar mais de 40% em ativos internacionais. (Fonte: Estadão)

A crise econômica causada pela pandemia da covid-19 fez muitas empresas revisarem o volume de dividendos pagos aos seus acionistas no ano passado. Levantamento feito pela consultoria de informação financeira Economática, com 246 companhias negociadas na Bolsa de Valores, mostrou que a queda nos pagamentos somou R$ 38 bilhões comparado a 2019. O volume representou recuo de quase 30%. Sem considerar a Vale, que sozinha distribuiu mais de R$ 18 bilhões aos detentores de suas ações, as companhias pagaram R$ 91,3 bilhões aos acionistas em 2020. No ano anterior, esse número estava na casa de R$ 129,1 bilhões. Uma das explicações para essa queda está na incerteza sobre os impactos gerados pela pandemia. Diante do cenário instável, a estratégia de muitas empresas foi preservar o caixa e fazer poupança para conseguir atravessar com segurança a turbulência do momento. (Fonte: Estadão)

LEIA TAMBÉM:

Tudo sobre a DUE – Documento único de exportação

Declaração de Capitais Brasileiros no Exterior 2021 – Quem deve declarar?

Censo de Capitais Estrangeiros no Brasil 2021 – Conheça as obrigações!

Cenário externo

Após tombar 15% na madrugada de domingo (18) e devolver lucros de sucessivos recordes, o bitcoin tem um dia de recuperação parcial nesta segunda-feira (19). Investidores também repercutem a fala do vice-presidente do Banco do Povo da China (PBoC, o BC chinês) Li Bo, que hoje chamou o ativo de “alternativa de investimento”, em uma mudança de tom por parte da segunda maior economia do mundo. Às 10h40 de Brasília, o bitcoin subia 3,40%, a US$ 56.528,67. Há apenas cinco dias, a criptomoeda havia batido a marca histórica de US$ 64 mil. Não há consenso no mercado sobre o motivo da queda tão acentuada do bitcoin no fim de semana. Para alguns, trata-se de uma realização de lucros repentina, depois da divisa digital renovar vários recordes na esteira da oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês) da Coinbase, corretora americana de criptomoedas que desde quarta-feira passada é negociada na Bolsa de Nova York (Nyse). (Fonte: InfoMoney)

O ministro das Finanças da Argentina, Martín Guzmán, negocia com o Clube de Paris um eventual adiamento no pagamento a ele de US$ 2,4 bilhões, previsto para 31 de maio, evitando assim um default. O Clube de Paris, que congrega 22 países credores, porém, exige que antes Buenos Aires chegue a um acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI), o que Guzmán diz que pode ainda demorar. (Fonte: Isto é Dinheiro)

Apesar da pandemia, a economia chinesa cresceu 18,3% no primeiro trimestre deste ano em relação ao mesmo período de 2020, segundo dados divulgados nesta quinta (15). Foi a maior expansão do PIB (Produto Interno Bruto) chinês desde pelo menos 1992, quando o país passou a fazer medições trimestrais. Economistas ouvidos pela Reuters esperavam uma alta de 19%. (Fonte: Yahoo Notícias)

O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) da zona do euro subiu 1,3% em março ante igual mês do ano passado, ganhando força ante o acréscimo anual de 0,9% verificado em fevereiro, segundo revisão divulgada nesta sexta-feira (16) pela agência de estatísticas da União Europeia, a Eurostat. (Fonte: Suno Notícias)

A Comissão Europeia disse apoiar a criação do euro digital, a forma virtual da moeda única, como forma de complementar o numerário e as soluções privadas de pagamento a retalho, mas admitiu dificuldades “técnicas e jurídicas”. “A Comissão apoia a exploração de um projeto de euro digital, como elemento potencialmente importante de um setor financeiro digital forte e inovador e de sistemas de pagamento mais eficientes e resilientes”, afirmou hoje o comissário europeu da Economia, Paolo Gentiloni. Falando em conferência de imprensa em Bruxelas após uma reunião por videoconferência do Eurogrupo, o responsável acrescentou que “um euro digital poderia também apoiar objetivos políticos mais amplos, [nomeadamente] a digitalização da economia, a autonomia estratégica aberta e o reforço do papel internacional do euro”, permitindo ainda “complementar o numerário e o já rico painel de soluções privadas de pagamento a retalho existentes”. Numa altura em que o Banco Central Europeu (BCE) estuda a criação do euro digital, Paolo Gentiloni admitiu, porém, que existem “questões de importância vital que levam tempo a resolver, tanto técnica como juridicamente, e claro em termos de escolhas políticas”, para alinhamento às regras comunitárias. Como exemplo, o comissário notou que é necessário estudar “como o euro digital poderia induzir mais ganhos em termos de eficiência de pagamentos e inovações na UE e como isso afetaria o sistema de pagamentos, de que forma poderia melhorar a inclusão financeira [e ainda] como o euro digital deveria ser distribuído”. Acresce que seria crucial garantir “a digitalização da economia de forma mais ampla e a construção de um mercado único digital”, bem como “assegurar o respeito pelos mais elevados padrões de proteção de dados e de combate ao branqueamento de capitais”. (Fonte: RTP Notícias)

O vice-presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Richard Clarida, afirmou nesta quarta-feira, 14, que a instituição não elevará juros simplesmente porque o desemprego está em queda. De acordo com o dirigente, a autoridade começará o ciclo de aperto monetário apenas quando tiver alcançado a meta de inflação média de 2%. Em um discurso sobre a nova estrutura de política monetária do Fed, Clarida reforçou que o Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) perseguirá uma inflação moderadamente acima de 2% “por algum tempo”. Ele ressaltou que as expectativas inflacionárias de longo prazo precisam estar “bem ancoradas” em 2%. Também destacou que, na nova concepção do Fed, máximo emprego é o “nível de emprego mais alto sem gerar pressões nos preços”. (Fonte: Isto é Dinheiro)

Dólar e aversão ao risco

(índice de volatilidade dos preços das opções do S&P 500)

VIX Index - Indice VIX de volatilidade - medida de aversão a risco - Meu Câmbio - 19-04-2021
Gráfico do Índice de volatilidade do S&P 500 (VIX).

O VIX trabalhou nessa semana na média de 16,67 contra 17,37 da semana anterior.

Perspectivas

A previsão do dólar para 2021

As expectativas dos 94 economistas consultados pelo Banco Central são:

  • Valor mínimo esperado: R$ 5,24
  • Valor médio esperado: R$ 5,56
  • Valor máximo esperado: R$ 5,80
Expectativa de cotação do dólar para 2021 segundo relatório focus do BCB em 16-04-2021
Expectativa do dólar comercial para 2021 para Abr-21, Mai-21 e Jun-21 segundo Boletim Focus BCB.

Previsão para PIB

As expectativas dos 60 economistas consultados pelo Banco Central são:

Expectativa do PIB para 2021 segundo relatório focus do BCB em 16-04-2021
Expectativa do PIB para 2021 para Abr-21, Mai-21 e Jun-21 segundo Boletim Focus BCB.

Previsão para IPCA

As expectativas dos 104 economistas consultados pelo Banco Central são:

Expectativa do IPCA para 2021 segundo relatório focus do BCB em 16-04-2021
Expectativa do IPCA comercial para Mar-21, Abr-21 e Mai-21 segundo Boletim Focus BCB.

Saiba tudo sobre o câmbio de importação?

MERCADO HOJE

Dólar americano:

No fechamento de 19/04, o dólar comercial operava em queda de 0,61% cotado a 5,5505

O Dólar Turismo neste mesmo horário era oferecido pela Meu Câmbio a R$ 5,7600 + IOF.

Dólar-hoje-turismo-meucambio-19-04-2021
Gráfico do dólar comercial dos últimos 30 dias.
Dólar / Real
PeríodoVariaçãoTaxa
19/abr/21-0,61%5,5505
Na semana-3,00%5,7224
No mês-1,39%5,6286
No ano6,97%5,1887

Euro:

No fechamento de 19/04, o euro operava em queda de 0,15%, cotado a R$ 6,6800.

O Euro Turismo neste mesmo horário era oferecido pela Meu Câmbio a R$ 6,9270 + IOF.

Euro-hoje-turismo-meucambio-19-04-2021
Gráfico do euro comercial dos últimos 30 dias.
Euro / Real
PeríodoVariaçãoTaxa
19/abr/21-0,15%6,6800
Na semana-1,98%6,8150
No mês1,21%6,6000
No ano4,75%6,3770

Utilize gratuitamente nossa plataforma para controle dos contratos de câmbio de importação, exportação ou financeiros. Clique aqui e confira!

Agenda da Semana

DataHorárioMoedaEventoPrevisão AtualÚltima Previsão
TueApr 20 3:00amEURGerman PPI m/m0.6%0.7%
WedApr 2121st-23rdCNYForeign Direct Investment ytd/y 31.5%
ThuApr 228:45amEURMonetary Policy Statement  
  EURMain Refinancing Rate0.00%0.00%
 9:30amEURECB Press Conference  
  USDUnemployment Claims635K576K
 11:00amUSDCB Leading Index m/m0.7%0.2%
  USDExisting Home Sales6.20M6.22M
FriApr 2311:00amUSDNew Home Sales875K775K

RELACIONADOS


#CaféComCâmbio – 06/07/22

As principais notícias que afetam o dólar comercial nesta quarta-feira 06/07/2022 MERCADO AGORA (10h34) Dólar comercial: R$ 5,4071 +0,36% Euro comercial: R$ 5,5170 -0,25% Lib […] LEIA MAIS


#CaféComCâmbio – 05/07/22

As principais notícias que afetam o dólar comercial nesta terça-feira 05/07/2022 MERCADO AGORA (10h11) Dólar comercial: R$ 5,3820 +1,08% Euro comercial: R$ 5,5370 -0,25% Lib […] LEIA MAIS

Recentes


#CaféComCâmbio – 06/07/22

As principais notícias que afetam o dólar comercial nesta quarta-feira 06/07/2022 MERCADO AGORA (10h34) Dólar comercial: R$ 5,4071 +0,36% Euro comercial: R$ 5,5170 -0,25% Lib […] LEIA MAIS


#CaféComCâmbio – 05/07/22

As principais notícias que afetam o dólar comercial nesta terça-feira 05/07/2022 MERCADO AGORA (10h11) Dólar comercial: R$ 5,3820 +1,08% Euro comercial: R$ 5,5370 -0,25% Lib […] LEIA MAIS