Bem-vindo, CITRUS 7
TOTAL TRANSFERIDO BRL 1500,00 ECONOMIZADO BRL 44,00

Análise Meu Câmbio

07 de abril , 2020 | em #MeuCâmbio |

Acompanhe semanalmente a evolução do preço do dólar, euro e saiba tudo que pode influenciar o preço das moedas. Com a Meu Câmbio você tem acesso a toda a informação que precisa para escolher a melhor ora de realizar suas operações cambiais.

Cenário interno

  • Em meio às incertezas sobre os impactos da pandemia de coronavírus no país e no mundo, o mercado brasileiro aumentou a expectativa em relação a uma contração do PIB (Produto Interno Bruto) em 2020, segundo os dados do Relatório Focus divulgado dia 06/04 pelo Bacen. Segue principais dados das medianas de mercado para 2020:
    • PIB: Queda de 1,18%
    • IPCA: 2,72%
    • Câmbio: R$/US$ 4,50
    • Selic: 3,25%
  • A crise econômica provocada pela pandemia do novo coronavírus já levou dois milhões de clientes a bater na porta dos cincos maiores bancos do País para renegociarem R$ 200 bilhões de empréstimos. O levantamento divulgado ontem pela Federação Brasileira dos Bancos (Febraban) não informa, porém, o valor total que já foi negociado até agora por Banco do BrasilBradescoCaixa e Santander. O Itaú Unibanco informou ter renegociado 302 mil contratos, com a prorrogação de parcelas equivalentes a R$ 679 milhões (no total, esses contratos somam R$ 12,1 bilhões). De acordo com o banco, todos os pedidos de renegociação estão sendo atendidos, desde que cumpridas as condições da oferta. A principal condição é estar em dia com o financiamento. (Fonte: Estadão)
  • A crise do coronavírus levou a Bolsa de Valores brasileira a registrar, no primeiro trimestre de 2020, a maior desvalorização trimestral da história. De janeiro até esta terça-feira (31), o Ibovespa acumulou queda de 36,85%, superando o recuo de 1986, segundo dados da Economatica. Naquele ano, a Bolsa caiu 36,25% no terceiro trimestre com o fracasso do Plano Cruzado. Em março, o Ibovespa acumula desvalorização de 29,90%, o quarto pior desempenho mensal da história, atrás de março de 1990 e junho de 1989, períodos marcados pela hiperinflação, e de agosto de 1998, ano da crise russa. Já o dólar tem a terceira maior alta trimestral do Plano Real. A valorização de 29,5% nos três primeiros meses de 2020 perde apenas para o terceiro trimestre de 2002, antes da eleição de Lula para o primeiro mandato presidencial, e para o primeiro trimestre de 1999, quando o Banco Central (BC) encerrou a política do câmbio fixo. Em termos reais (corrigidos pela inflação), a moeda americana ainda está longe de sua máxima de 2002. Se for considerado apenas o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), calculado pelo IBGE, o pico de R$ 4 naquele ano, equivale a cerca de R$ 10,80 hoje. Caso também seja levada em conta a inflação americana, o valor corrigido seria cerca de R$ 7,50. Já o Ibovespa está no menor patamar desde julho de 2018.  (Fonte: Zero Hora)
  • O Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI) registrou inflação de 1,64% em março deste ano. A taxa é superior ao 0,01% de fevereiro deste ano e ao 1,07% em março de 2019. Os dados foram divulgados hoje (6) pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). De acordo com a FGV, o IGP-DI acumula taxas de 1,75% no ano e de 7,01% em 12 meses (Fonte: Agência Brasil – EBC)
  • A Câmara dos Deputados aprovou, em primeiro e segundo turnos, o chamado Orçamento de guerra, que permite a ampliação das despesas públicas para conter o coronavírus, sem as amarras que hoje restringem os gastos federais. O texto foi proposto pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), com apoio do Ministério da Economia. O texto dá ao governo a segurança jurídica necessária para gastar o que for preciso para conter o avanço da Covid-19, além da adoção de medidas econômicas relacionadas à pandemia. A proposta de emenda à Constituição (PEC) foi aprovada, no primeiro turno, por 505 votos a favor e 2 contra. No segundo, quando alguns parlamentares já haviam saído, por 423 a favor e um contra. Eram necessárias duas votações por ser uma mudança na Constituição. A expectativa é que a votação no Senado ocorra na semana que vem, mas ainda não há data. (Fonte: O Globo)
  • Com queda nas exportações e nas importações, a balança comercial brasileira registrou saldo positivo de US$ 4,713 bilhões em março. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira, 1º, pela Secretaria de Comércio Exterior, do Ministério da Economia (Fonte: Seu Dinheiro)
  • A arrecadação de impostos, contribuições e demais receitas federais registrou queda real (descontada a inflação) de 2,71% em fevereiro, contra o mesmo mês do ano passado, e somou R$ 116,430 bilhões, informou nesta quinta-feira (2) a Secretaria da Receita Federal. Em fevereiro de 2019, a arrecadação somou R$ 119,670 bilhões. De acordo com dados da Receita Federal, esse também foi o pior resultado para meses de fevereiro desde 2018 (ou seja, em dois anos) – quando o resultado havia sido de R$ 113,586 bilhões. Os valores foram corrigidos pela inflação. O mês de fevereiro ainda não apresentou efeitos importantes da pandemia de coronavírus na economia brasileira, que começaram a ser sentidos com mais intensidade de março em diante. (Fonte: G1)
  • O presidente Jair Bolsonaro anunciou medida provisória (MP) autorizando a redução salarial de até 70% ou a suspensão total dos contratos (ou seja, redução de 100% dos salários pagos pela empresa). Mas a medida prevê período em que o funcionário não poderá ser demitido. Se uma empresa reduzir jornada e salário por dois meses, por exemplo, o funcionário terá o emprego garantido por quatro meses. A proteção na vaga corresponde ao dobro do tempo no qual o governo pagará parte dos salários. Não foi dito como será a fiscalização. Agora, em qualquer cenário haverá complementação de parte da renda do trabalhador pelo governo. A medida trabalhista valerá imediatamente após a publicação e poderá ser adotada pelos empregadores. Caberá ao Congresso validar ou alterar o texto. Segundo o secretário especial de Previdência e Trabalho, Bruno Bianco, a nova legislação prevê três faixas de cortes salarial por três meses, com redução proporcional da carga horária: 25%, 50% e 70%. O governo complementará a renda de trabalhadores afetados, usando como base o valor do seguro-desemprego. Assim, se o corte salarial for de 70%, o governo entrará com 70% do valor do seguro-desemprego ao qual o trabalhador teria direito, caso fosse demitido. O mesmo ocorre com as outras faixas de cortes. (Fonte: Jornal Extra)
  • Dívida Bruta do Governo Geral fechou fevereiro aos R$ 5,611 trilhões, o que representa 76,5% do Produto Interno Bruto (PIB). O porcentual, divulgado nesta terça-feira, 31, pelo Banco Central, é maior que os 76,1% de janeiro. No melhor momento da série, em dezembro de 2013, a dívida bruta chegou a 51,5% do PIB. (Fonte: Estado de Minas)

No cenário externo:

  • Rússia está pronta para uma coordenação com outros importantes exportadores de petróleo com vistas a ajudar a estabilizar o mercado global da commodity, disse o governo russo nesta segunda-feira (06/04). O chefe do fundo soberano russo, Kirill Dmitriev, disse mais cedo nesta segunda-feira à CNBC que a Arábia Saudita e a Rússia estão “muito, muito perto” de um acordo sobre cortes de produção. “Moscou está pronta para cooperar e interessada em interagir com países para estabilizar os mercados de energia”, disse o porta-voz do governo russo, Dmitry Peskov, em uma coletiva de imprensa diária por telefone com jornalistas. Peskov também afirmou que conversas entre a Opep e outros importantes produtores, um grupo conhecido como Opep+, foram postergadas para quinta-feira por questões técnicas e que os preparativos estão em andamento para a reunião. (Fonte: Exame)

Dólar e aversão ao risco

(índice de volatilidade dos preços das opções do S&P 500)

Altíssima volatilidade apresentada pelo mercado acionário americano, fez o VIX trabalhar acima dos 60 pontos (Máxima de 01/04), chegando na média da última semana de 50,71.

A previsão do dólar para 2020

As expectativas dos 103 economistas consultados pelo Banco Central são:

  • Valor mínimo esperado: R$ 4,30
  • Valor médio esperado: R$ 4,90
  • Valor máximo esperado: R$ 5,50

Previsão para PIB

As expectativas dos 82 economistas consultados pelo Banco Central são:

Previsão para IPCA

As expectativas dos 118 economistas consultados pelo Banco Central são:

Dólar americano hoje:

As 16:30hs, o dólar comercial operava em alta de 0,20%, cotado a 5,1911

O Dólar Turismo neste mesmo horário é oferecido pela Meu Câmbio a R$ 5,294 + IOF.

Dólar
PeríodoVariação
31/mar/200,20%
1 semana2,15%
1 mês15,06%
No ano29,40%

Euro hoje:

As 16:30hs o euro operava em queda de 0,23%, cotado a R$ 5,713.

O Euro Turismo neste mesmo horário é oferecido pela Meu Câmbio a R$ 5,912 + IOF.

Euro
VariaçãoVariação
31/mar/20-0,23%
1 semana4,35%
1 mês13,20%
No ano27,13%

Agenda do mercado – Próximos eventos internacionais relevantes

DataHorárioMoedaEventoPrevisão AtualÚltima Previsão
WedApr 8 TentativeUSDFOMC Meeting Minutes  
ThuApr 9TentativeAllOPEC Meetings  
 TentativeAllOPEC-JMMC Meetings  
 8:30amEURECB Monetary Policy Meeting Accounts  
 9:30amUSDUnemployment Claims5000K6648K
  USDCore PPI m/m0.0%-0.3%
  USDPPI m/m-0.3%-0.6%
 11:00amUSDPrelim UoM Consumer Sentiment80.089.1
 10:30pmCNYCPI y/y4.9%5.2%
FriApr 1010th-15thCNYNew Loans1800B906B
 9:30amUSDCPI m/m-0.3%0.1%
  USDCore CPI m/m0.1%0.2%
   TentativeAllG20 Meetings  

RELACIONADOS


Comece seu dia bem informado com nosso Café Com Câmbio de hoje 22/01

As principais notícias que afetam o dólar comercia […] LEIA MAIS


Comece seu dia bem informado com nosso Café Com Câmbio de hoje 21/01

As principais notícias que afetam o dólar comercia […] LEIA MAIS

Recentes


Comece seu dia bem informado com nosso Café Com Câmbio de hoje 22/01

As principais notícias que afetam o dólar comercia […] LEIA MAIS


Comece seu dia bem informado com nosso Café Com Câmbio de hoje 21/01

As principais notícias que afetam o dólar comercia […] LEIA MAIS